Será que você também já sentiu essa ansiedade?

Será que você também já sentiu essa ansiedade?

Quem vê Mickey, não vê perrengue! 😂

Mas hoje o tema é sobre algo com que todos nós temos sofrido, algo que foi considerado o novo mal do século XXI: ansiedade. 

Toda mudança é fruto de uma escolha. Uma escolha nossa, depois de inúmeros conflitos internos para pensarmos em todas as opções. Como vocês têm acompanhado no meu Instagram, recentemente eu vim passar uma temporada em Orlando. Os motivos foram inúmeros para que eu tomasse esta decisão, e ainda assim eu senti ansiedade?

Sim, senti – e muita! E considero importante abrir meu coração a vocês neste Janeiro Branco sobre esse mix de sentimentos que é mudar uma rotina, um espaço e viver em outro país. Afinal, não existe perfeição – e também não deve existir um silenciamento das nossas emoções e conflitos internos. 

“Nossa, você está em Orlando? Esse lugar é mágico!”. Nem tudo é Disney, e nem tudo são simplesmente flores. Minha escolha de vir para cá passar essa temporada não exclui o fato de eu me sentir ansiosa e preocupada, não apenas por estar modificando a rotina com a qual estou acostumada, mas também a da minha família. 

Quantas mulheres – eu inclusa – já sentiram isso tudo e não acharam ser necessário buscar ajuda? A sobrecarga feminina é algo real, mas ainda ignorado ou, pior, admirado. Quem consegue cuidar da casa, dos filhos, do corpo, do relacionamento, da família, do trabalho e das redes sociais é considerada uma super-heroína. Que corajosa, eles dizem, mas eu também lido com a confluência de pensamentos sobre as decisões que tomo. E a rotina atribulada diante de uma escolha também me deixa ansiosa! 

Quantas vezes ouvimos ou até mesmo falamos “queria ter mais 20 horas no meu dia”. Me responda com sinceridade: para que? Para que a sua saúde mental continue sendo sacrificada por uma ideia de perfeição que, sinceramente, não existe? 

Eu não gostaria que meus dias tivessem horas a mais. Eu gostaria que todas as pessoas pudessem, dentro dessas 24 horas, estabelecer limites para sua vida pessoal e todas as outras escolhas em seus caminhos. E que, dentro deste âmbito pessoal, você possa dar a devida atenção aos seus sentimentos, pois eles importam!

É normal sentir medo, cansaço, preguiça. É comum que, após a rotina mudar completamente, a gente tenha que readaptar algumas coisas em nós mesmos. Isso é um simples retrato da nossa humanidade, de toda a nossa complexidade enquanto pessoas. 

Mas quero te dizer uma coisa: vida é mais leve quando decidimos vivê-la sem neuras. Não encontraremos apenas facilidades pelo nosso caminho, mas que tenhamos discernimento, autoconhecimento e coragem suficientes para não tornar obstáculos em barreiras intransponíveis. Nós podemos decidir o que é melhor para nós mesmos!

Se você precisa de ajuda, busque amparo psicológico. Cuide-se. E, assim, podemos viver com a plenitude que todas nós merecemos. ♥

Deixe um Comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.